Buraco negro supermassivo na Via Láctea. 01/11/18

Após observar que explosões radioativas estavam emanando da Sagittarius A*, pesquisadores europeus observaram uma estrela chamada S2 explodindo a 30% da velocidade da luz na órbita, confirmando que a fonte compacta é, na verdade, um buraco negro supermassivo.

Poderia ser só o nome de uma canção de uma banda de rock inglesa, mas o centro da Via Láctea realmente abriga um "buraco negro supermassivo". É isso o que afirmam cientistas do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês), que confirmaram a existência do Sagittarius A* por meio dos intrumentos de gravidade do Very Large Telescope (ou "Telescópio Muito Grande", na tradução livre).

Até então, existia apenas a suspeita de que o Sagittarius A* (uma fonte astronômica de rádio muito compacta que habita o centro da Via Láctea) fosse um buraco negro supermassivo. E o que a ciência tinha como teoria (ainda que dada como certa pela comunidade astronômica) acaba de ser comprovado de uma vez por todas.

Em declaração oficial, o ESO explicou que um grupo de cientistas de várias instituições europeias observou que muitas explosões radioativas estavam emanando da Sagittarius A*. Após observarem vários objetos orbitando perto do Sagittarius A*, em especial uma estrela chamada S2, os pesquisadores constataram três explosões a 30% da velocidade da luz.

Estávamos monitorando de perto a S2 e, é claro, sempre ficamos de olho no Sagittarius A*”, disse Oliver Pfuhl, cientista do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre. “Durante nossas observações, tivemos a sorte de notar três chamas brilhantes ao redor do buraco negro — foi uma coincidência de sorte!”

O cientista ainda acrescenta: “É incompreensível ver o material orbitando um enorme buraco negro a 30% da velocidade da luz. A tremenda sensibilidade do [instrumento de] gravidade nos permitiu observar os processos de acreção em tempo real com detalhes sem precedentes”.

Fonte: Canaltech

 

domingo, 28 Fevereiro, 2021